<<voltar

Sérgio Ribeiro vence

Hernâni Broco mantém 2º lugar

A equipa de juízes de chegada, considerando que Cândido Barbosa (Palmeiras Resort-Prio) cometeu uma infracção ao desviar-se da trajectória na parte final do "sprint", desclassificou-o de imediato e atribuiu a Sérgio Ribeiro (Barbot-Siper) a vitória na 7ª etapa da 72ª Volta a Portugal...

A equipa de juízes de chegada, considerando que Cândido Barbosa (Palmeiras Resort-Prio) cometeu uma infracção ao desviar-se da trajectória na parte final do "sprint", desclassificou-o de imediato e atribuiu a Sérgio Ribeiro (Barbot-Siper) a vitória na 7ª etapa da 72ª Volta a Portugal, organizada pela PAD/Lagos Sports e que faz parte do programa dos Jogos do Centenário da República, disputada hoje, sexta-feira, entre Oliveira do Hospital e Oliveira do Bairro, com 169,9 Km.

 


Excluindo esta irregularidade, nenhuma outra alteração se produziu relativamente às principais classificações, com David Blanco (Palmeiras Resort-Prio) a manter a camisola amarela e a sagrar-se virtual vencedor da montanha. Ricardo Vilela (Madeinox/Boavista) continua com a camisola da Juventude e a LA-Rota dos Móveis conserva a liderança da classificação colectiva,
"Se os comissários acharam que fui encostado, penso que acharam bem. Houve um corte de trajectória para a esquerda e, eu e o ciclista francês, ficamos tapados o que nos cortou o andamento" - começou por dizer Sérgio Ribeiro, para, de seguida, lembrar: "Tenho o dorsal 13, hoje é dia 13, dia de Nossa Senhora de Fátima, parece que fui abençoado." E a concluir: "Só gosto de falar no final, mas se chegar a Lisboa com a camisola branca será o concretizar de um sonho."

 


Vários ataques em vão

 


Manteve-se a tendência para o arranque da corrida em ritmo de constantes ataques com muita gente interessada em discutir a posse da camisola verde da montanha, na posse de David Blanco (Palmeiras Resort-Prio), no primeiro lugar por equipas e nas camisolas dos Pontos e da Juventude. A subida ao alto de Lavegadas e as metas volantes eram, naturalmente, os pontos de maior interesse desta jornada, já que havia ainda a possibilidade de se verificarem alterações. Todas as ofensivas, com a estrada sempre a descer até à contagem de montanha, resultaram em vão, mas elevaram a média da primeira hora para 51,2 Km/h.

 


Montanha é de Blanco

 


Foi com os homens da Caja Rural a comandarem as operações que se iniciou a subida para Lavegadas, de 3ª cat., onde o principal candidato, o ucraniano Oleg Chuzhda foi batido por Sérgio Sousa (Madeinox/Boavista) e pelo italiano Enrico Magazzini (Lampre), conseguindo apenas dois pontos que elevaram para 42 o total amealhado e mesmo que no último dia vence na subida de Cheleiros, fica ainda a um ponto de David Blanco que, deste modo, é já o virtual vencedor do Prémio da Montanha.

 


Metas volantes nada alteram

 


Um quarteto em fuga desde o Km 115, sem qualquer candidato à camisola branca, ataca as primeiras metas volantes, a de Cantanhede (Km. 129,8), ganha pelo espanhol Gustavo Dominguez (Xacobeo) e a segunda em Mamarrosa (Km.145,6) onde triunfou o italiano Emanuele Sella (Carmiooro). Depois da primeira passagem pela meta, já com mais dois corredores na fuga e o pelotão a escassos 20s, na meta volante de Sangalhos (Km,161,7) voltou a vencer o ciclista da Xacobeo.

 


Cândido desclassificado

 


Devido a irregularidade apurada pelo júri, Cândido Barbosa (Palmeiras Resort-Prio) foi privado da vitória da etapa, que passou a ser atribuída a Sérgio Ribeiro, terceira para a Barbot-Siper. Deste modo, com os 25 pontos do primeiro lugar, o ciclista do clube de Gaia, conquistou a camisola branca, com 96 pontos, mais 20 do que David Blanco e Cândido Barbosa, mas ainda estão em jogo os 50 pontos do 1º lugar de cada uma das duas restantes etapas.


Caldas da Rainha dez anos depois

 


Com a selecção feita nas escaladas à Senhora da Graça e ao alto da Torre, de onde saiu o espanhol David Blanco (Palmeiras Resort-Prio) na posse da camisola amarela, chega amanhã, no contra-relógio de 32,6 quilómetros, entre Pedrógão e Leiria, o esperado momento de pôr fim às dúvidas que possam ainda subsistir quanto ao desfecho desta 72ª Volta a Portugal.
Os ciclistas concentram-se, a partir das 12h30 na Praia de Pedrógão, de onde o primeiro corredor partirá às 14h15 seguindo por Vieira, Boco, Carvide, Granja, Ortigoza, Regueira de Pontes, Ponte da Pedra, para atigir a meta no Largo Cónego Maia, em Leiria, cerca das 14h55, prevendo-se a chegada do último ciclista, o camisola amarela David Blanco, cerca das 17h20.
A cidade de Leiria recebe a Volta desde 1933 e desta vez acolhe a caravana pela 16ª vez, a última das quais no ano 2000, portanto há uma década.

 


Registamos os resultados das últimas visitas.


LEIRIA
1980 (42ª Volta): Alpiarça-Leiria, 181 Km., José Martins (Coelima)
1981 (43ª Volta): Caldas-Leiria, 103 Km., Carlos Santos(Tavira)
1984 (46ª Volta): Lisboa-Leiria, 158 Km., Paulo Ferreira (Olhanense)
1999 (61ª Volta): Cantanhede-Leiria, 187,8 Km., Fulvio Frigo (Selle Itália)
2000 (62ª Volta): Odivelas-Leiria, 194,7 Km., Angel Edo (Maia)

 


Guita Júnior